Essa espanhola é uma ilustre desconhecida no Brasil, assim como na maioria do mundo. Entretanto, além de ser uma importante azeitona para ser servida a mesa, possui características muito boas para produção de azeite. Seu azeite conhecido na Espanha como Aceite del Empordà, possui DOP, ou seja: Designação de Origem Protegida, desde 2007.

Origem e tamanho da Cultura

Dentre as 416 variedades registradas na Espanha, a Argudell é uma das que passam meio desapercebidas no mercado internacional. Os países que atualmente a produzem, com relevância comercial, são a Espanha (autóctone) e França.

Na Espanha é mais cultivada na região de Girona: 2.262 hectares, principalmente na região de Alt Empordá.

Na França está mais presente nas regiões de Perpignan, Colliure e Banyuls-Sur-Mer.

Detalhes do cultivo na Espanha

A área de produção inclui as terras localizadas nos municípios das regiões de L’Alt Empordà e El Baix Empordà, principalmente, e alguns municípios limítrofes das regiões de El Gironès e El Pla de l’Estany. Todos pertencem à província de Girona, localizada no extremo norte da Comunidade Autônoma da Catalunha. Os municípios que compõem esta área geográfica são os seguintes:

  • Alt Empordà: Agullana, Albânia, L’Armentera, Avinyonet de Puigventós, Bàscara, Biure, Boadella les les Escaules, Borrassà, Cabanelles, Cabanes, Cadaqués, Cantallops, Capmany, Castelló d’Empúries, Cistella, Colera, Darnius, L’Escala, Espolla , The Far d’Empordà, Figueres, Fortià, Garrigàs, Garriguella, La Jonquera, Lladó, Llançà, Llers, Maçanet de Cabrenys, Masarac, Mollet de Peralada, Navata, Ordis, Palau de Santa Eulália, Palau-saverdera, Pau, Pedret em Marzà, Peralada, Pont de Molins, Pontós, El Port da Selva, Portbou, Rabós, Riumors, Roses, Sant Climent Sescebes, Sant Llorenç de la Muga, Sant Miquel de Fluvià, Sant Mori, Sant Pere Pescador, Santa Llogaia d «Àlguema, Saus, Camallera i Llampaies, La Selva de Mar, Siurana, Terrades, Torroella de Fluvià, La Vajol, Ventalló,Vilabertran, Viladamat, Vilafant, Vilajuïga, Vilamalla, Vilamaniscle, Vilanant, Vila-sacra e Vilaür.
  • Baix Empordà : Albons, Begur, Bellcaire d’Empordà, La Bisbal d’Empordà, Calonge, Castell-Platja d’Aro, Colomers, Corçà, Cruïlles, Monells e Sant Sadurní de l’Heura, L’Estartit, Foixà, Fontanilles, Forallac, Garrigoles, Gualta, Jafre, Mont-ras, Palafrugell, Palamós, Palau-sator, Pals, Parlavà, La Pera, Regencós, Rupià, Sant Feliu de Guíxols, Santa Cristina d’Aro, Serra de Daró, La Tallada d ‘ Empordà, Torrent, Torroella de Montgrí, Ullà, Ullastret, Ultramort, Vallllobrega, Verges e Vilopriu.
  • Pla de l’Estany : Crespià, Esponellà e Vilademuls.
  • Gironès : Flaçà, Llagostera, Madremanya, Sant Jordi Desvalls e Viladasens.
Área de olival: 2.262,3 hectares.
  • 2.325,0 hectares em L’Alt Empordà
  • 273,9 hectares em El Baix Empordà
  • 17,8 hectares em El Pla de l’Estany
  • 15,6 hectares em El Gironès

História

As primeiras amostras de oliveiras encontradas no Empordà são do final da Idade do Bronze.

Na segunda onda da colonização grega, as colônias mais a oeste do Mediterrâneo foram fundadas. São conhecidas até o momento: Empúries e Rosas. As duas localizadas na região de L’Alt Empordà.

Durante o século VI aC, quando o cultivo da azeitona foi estendido a Grécia, o azeite começa a ser exportado . Ao mesmo tempo que em Empúries e Rosas são fundadas as colônias, supõe-se a região tenha fornecido oliveiras (???). Isso está retratado em pesquisas arqueológicas de Empúries.

Alguns locais na área de Empúries (Peralada, Mas Castellar em Pontós, Creixell) atuavam como centros de armazenamento agrícola do território, enquanto depósitos perto de Garrigàs, Borrassà, Vilafant serviam a essas áreas produtoras.

Uma das versões para a extensão do cultivo da oliveira é de que esteja associada a exportação de L’Alt Empordà à civilização grega e romana.

Não há documentação das oliveiras em L’Empordà durante a Idade Média. Sabemos que os mosteiros beneditinos, como Sant Quirze de Colera ou Sant Pere de Rodes, possuíam grandes áreas de terra cultivada trabalhadas por seus servos e que havia muito provavelmente plantações de videiras e oliveiras , como mostram os desenhos encontrados nas Bíblias e sacramentais de a época.

Entre os séculos IX e XI novas cidades e vilas foram criadas. Em L’Alt Empordà ainda existem lugares preservados cujo nome está relacionado às oliveiras , por exemplo, a igreja de Sant Nazari de les Oliveiras. Sua documentação remonta a 1017, assim como outros: Les Olives – município de Peralada e outro L’Oliva del Far.

Maciço-de-Albera em Alt_Empordà

Até meados do século XIX, segundo o autor do Empordà Juan Tutau, a oliveira era um bom investimento. Exemplo disso é que no período forma instaladas em mais de noventa usinas forma instaladas na região.

Outro exemplo é de que em Cadaqués em 1738 havia um moinho de azeite (Lagar), contudo em 1800 haviam mais sete.

No final do século XIX, L’Alt Empordà aprendeu sobre a praga da filoxera , que obrigou quase todas as vinhas da região a serem arrancadas . Muitas extensões de vinhedos rasgados foram substituídas por olivais.

A partir da segunda metade do século XX e pouco a pouco, após a terrível geada de fevereiro de 1956, quando uma parte dos olivais da região de L’Empordà morreu, a oliveira entrou em crise, não apenas pelas pragas que prejudicavam a colheita, mas pela má economia da época, pois o custo da colheita era muito alto e competia com frutíferas mais rentáveis. O turismo também desviava a mão de obra local.

Pouco a pouco, a partir do último quarto do século XX, começaram a combater pragas e começaram a estabelecer Lagares em cooperativas e Lagares coletivos.

Atualmente, a L’Empordà aumentou a qualidade de seu azeite e investe grandes esforços para posicionar o produto no mercado internacional com a tradição que caracterizam um território que já o conhecia há mais de 2.500 anos.

Sinônimos

Olive a Saler.
Nomes atribuídos erroneamente: del País, Mollasa, Saladora.

Características da Argudell

Árvore

Planta com porte e vigor alto com tendência a verticalização da copa. Com ligeiramente rusticidade, a Agurdell tem resistência média-baixa (susceptível) ao “Repilo” e a “Mosca da Oliveira”. Resiste bem a seca.

Possui baixa capacidade de enraizamento.

Fonte: La Página de Bedri

É uma variedade pouco exigente com a terra e a cultura, perfeitamente adaptada às condições edafoclimáticas da região de l’Empordà (Girona – Espanha)

Possui uma produtividade alta – em condições favoráveis uma árvore adulta pode produzir mais que 30Kg por safra, contudo possui baixa regularidade, ficando muito sujeita a bianualidade.

Folhas

Possuem um comprimento grande e de largura média. São elípticas lanceolados, ligeiramente epinástica.

A parte superior é verde escura e embaixo prateado cinza.

Floração e polinização

Foi observado que a variedade é parcialmente auto fértil, contudo não existem estudos que comprovem.

A floração ocorre em período médio. As inflorescências paniculadas são agrupadas na parte média do ramo.

Fruto

Com formato assimétrico, durante a maturação começa a ficar avermelhado, posteriormente roxo e preto no último.

As azeitonas descolam com facilidade, logo é adequada ao colheita mecanizada. Experiencias de contagem indicam que de 80% a 85% dos frutos caem em uma primeira passagem.

Fonte: Universidade de Córdoba

Os frutos são normalmente encontrados em botões visíveis do lado de fora. Tem um pedúnculo longo. Seu tamanho é de médio a pequeno.

A polpa esbranquiçada é presa ao caroço, tornando-se vínica quando madura.

Caroço

O caroço é de tamanho médio-pequeno, formato elíptico, assimétrico e rugoso, com 7 a 10 sulcos fibrovasculares.

Principal vocação

Sua principal vocação é para a produção de azeite, cujo extração – difícil – gira em torno de 18% a 22% da massa de azeitonas, contudo regionalmente também é importante na produção de azeitonas de mesa.

Características do azeite

O azeite produzido pelas oliveiras da variedade Argudell é denominação de origem protegida ‘Oli de l’Empordà’ ou ‘ Aceite del Empordà ‘ pela Resolução da Diari Oficial de la Generalitat de Catalunya publicada em 2007 com o número 4880, e ajustado em 2016 no DOGC Núm. 7262 – 7.12.2016 ( CVE-DOGC-B-16335052-2016)

Trata-se de um azeite tradicional obtido com um blend (mistura) entre a Argudell – mínimo 51% -, Curivell e Verdal (Llei de Cadaqués), todas autóctones – Espanha . No início do século XX foi introduzido o cultivar Arbequina.

Características organolépticas

O azeite del Empordà possui uma aspecto claro – limpo e transparente.

Seu sabor é muito complexo, lembrando erva-doce, amêndoa, e anis (aguardente aromatizada com “matalaruga” – Fruto do Anis Verde)

O sabor e as sensações que ele dá mudam com a variedade da azeitona utilizada. Quando composto apenas por Argudell e Corivell, possui um equilíbrio delicado entre doce e azedo. Quando utilizado o cultivar Verdal, o resultado é um azeite mais frutado, maduro e picante.

Características químicas “normais”

Sua composição média é de: ácido oléico 67%, ácido liniléico 13% e ácido palmítico 13%.

Acidez máxima: 0,8%. Devido ao alto graus de antioxidantes, o azeite del Empordà mantém-se estável por 8 horas a 120ºC – Rancimat.

São os azeites mais ricos em polifenóis da Catalunha – valores médios de 360 ​​ppm, bem como amargura (K225) em 0,385.

O perfil sensorial desses azeites, considerando outros descritores secundários do tipo aromático (IOC / T.20):

Azeites com aromas que normalmente se assemelham a grama e nozes cortadas na hora ; aromas de frutas exóticas, frutas verdes ou alcachofra também podem aparecer , além de apresentar uma sensação final de amêndoa na boca.

O perfil sensorial dos azeites da DOP (Designação de Origem Protegida) “Óleo de L’Empordà”, dentro da norma EU 640/2008:

Azeite balanceados de frutado verde de média intensidade. Na boca, eles têm um meio amargo e picante.

As características físico-químicas

Extinção específica do ultravioleta K270 no máximo 0,2 e K232 no máximo 2. Umidade máxima e volátil (%) de 0,2 e grau máximo de impurezas de 0,1%.

Grau de importância do cultivar

Em uma escala de 1 a 4, o grau de importância da Argudell “2”. Ou seja: Comercialmente explorada, mas apenas localmente.

Agradecimento

Agradecemos a Página de Bedri que forneceu grande parte das informações aqui publicadas.

Liked it? Take a second to support MAURO JOSE DE MENEZES on Patreon!