São muitas as competições de azeites pelo mundo. Provavelmente países produtores com dificuldades internas como a Síria e Afeganistão talvez nunca tenham tido uma competição, ou ao menos no momento que lutam pela sobrevivência, os tenham suspendido.

Entretanto vários países que apenas consomem o azeite, e que por questões climáticas no máximo o produzirão de forma artesanal em quantidades bem pequenas, como o Canadá e Dinamarca, mantém suas competições. Qual outro produto consegue mobilizar um país que é apenas consumidor a esse tipo de evento?

Na China, um país recém ingresso na olivicultura, mas que promete ser um dos grandes produtores mundiais, encontramos 4 concursos (3 ativos).

Quase tanto quanto competições são as diferenças entre os regulamentos. Alguns premiam vários azeites em uma mesma categoria, dados estes terem atingido os critérios definidos. Outros estabelecem graduações de Excelência por categoria, ou seja: medalha de ouro, prata… Às vezes ainda premiam o “melhor da categoria”. Não chega a ser um “hor concours”, pois inicia a competição em pé de igualdade com todos os demais, mas fica acima da medalha de ouro.

O que são as categorias?

Para competições várias formas são utilizadas, então vamos citar os formatos mais utilizados.

1 – Através da intensidade percebido pelo paladar.

Isso tem haver, principalmente, com fatores como o cultivar da azeitona e o grau de maturação no qual a azeitona se encontrava no momento da colheita / processamento (mais verde ou escura) – Veraison. Outros fatores , como percentual de umidade e processo de extração não deveriam afetar um produto de alta qualidade. São três níveis:

SUAVE: Produz uma sensação delicada, mais leve. Pode lembrar alimentos amanteigados e harmonizam bem com sopas, legumes e ovos cozidos. Também vão bem com peixes de sabor suave. Em um painel de sabores o mesmo teria baixas notas em “amargor” e “picância“, mas notas mais altas em “sabor de amêndoa”, por exemplo. Lembrando que um azeite extra virgem, além de outras características não podem ser ausentes de “amargor“, “picância” e “frutado

MÉDIO: As notas de “amargor” e “picância” tornam-se mais pronunciadas, sem exagero. Também é normal que outras percepções surjam, como ervas, capim, frutas, etc.. Ou seja: O sabor é mais complexo. Harmonizam bem com pratos a base de tomate como bruschettas, macarronadas ao sugo, saladas em geral e carne branca.

ROBUSTO: Usualmente feito com azeitonas que naturalmente já apresentam maior índice de polifenóis, como a Koroneiki, por exemplo. Buscando-se intensificar suas características, normalmente os produtores optam por azeitonas ainda nos primeiros estágios de maturação – entre 1 e 2 do total de 7. Possuam altas notas nos fatores organolépticos de amargor e picância, mas também intensificam outras percepções como tomate verde, capim verde e maça. Harmonizam bem com pratos menos “ameaçados” pela disputa do sabor, como carnes vermelhas, sopas, molhos à base de tomate temperados, molho pesto, etc. .

Abaixo um exemplo de roda de sabor de uma “cata” realizada com um azeite médio – Frantoio

Painél de degustação

2 – Por predominância organoléptica

Alguns concursos utilizam características desejadas no azeite para criar as categorias de sua competição. Por exemplo: “FRUTADO”, “ERVAS”…

3 – Orgânico e não orgânico.

Apesar de muitas vezes ser considerada uma subcategoria, alguns concursos são focados em apenas azeites orgânicos. Outros sequer distinguem.

Resumo dos concursos

Abaixo uma relação bastante sucinta dos principais concursos pelo mundo. Se algum ficou de fora, pode nos escrever.

Publicaremos em detalhes os resultados, estatísticas e regras de cada um dos principais concursos pelo mundo, bem como publicaremos no blog ou em formato de e-book, uma tabela mais completa sobre esses concursos, com regulamento básico, critérios de avaliação, período e dados para contato dos organizadores.

Liked it? Take a second to support MAURO JOSE DE MENEZES on Patreon!