Iêmen, também conhecido como Iémen (Português de Portugal), é um país árabe que fica a sudoeste da Península da Arábia.

É um país quase retangular com 1.500 Km de largura e 300 Km de altura.

Existe uma guerra civil que se arrasta desde 2015 e está causando a destruição do país. Milhares já morreram de fome, outros em estado de desnutrição irreverssível.

Para saber mais: Guerra civil no Iêmen.

Localização

Possui um história conturbada, inclusive a reunificação entre os países conhecidos como Iêmen do Norte e o Sul ocorreu apenas em 1990. Tem como fronteira a Arábia Saudita ao norte e a leste Omã. Ao sudoeste é banhado pelo mar Vermelho e ao sul pelo golfo de Áden. Além do território continental, o Iémen inclui também algumas ilhas situadas ao largo do Corno de África, sendo a maior a ilha de Socotorá.

Origem da olivicultura

Obter informações sobre a olivicultura no Iêmen é um desafio. Sabemos que sua origem é provavelmente idêntica a da Arábia Saudita, vizinha da região e que traz as oliveiras em sua história de forma ancestral.

De acordo com al-Bishari, funcionário do Ministério da Agricultura no Iêmen, a oliveira é encontrada no Iêmen há milhares de anos. É conhecido como (Otom) o nome de origem selvagem da árvore. Esse tipo de Oliveira foi encontrado no distrito de Otomah, na província de Dhamar.

Evolução da olivicultura no Iêmen

Em 2009 o governo do Iêmen definiu a produção de azeitonas como a quinta cultura mais estratégica do país, mesmo a localização do país não seja ideal – a latitude de 15⁰ N corta o país ao meio. O ideal preconizado é entre 30 e 45 graus de latitude, tanto a norte quanto ao sul da linha do equador.

Em 2015 foi divulgado que o Iêmen aumentou para 65 milhões o número de oliveiras no país, e que essa iniciativa já trazia resultados positivos.

Atualmente – 2018- o Iêmen possui 8.000 hectares de olivais, importados da Síria, Jordânia e do Centro Árabe para o Estudo de Áreas Áridas (ASSAD). O objetivo é não mais de duas décadas ter mais de 25.000 hectares plantados.

Cultivares

Não há registro de oliveiras nativas do Iêmen, ou que lá tenham se desenvolvido.

Os principais cultivares plantados no país são os abaixo, acompanhados do país de origem e principal uso.

  • Kodaire (Khodeiry): Síria – Dupla finalidade: Mesa e azeite
  • Rosaíee: ? – ?
  • Kaisee (Kaissy): Síria – Mesa
  • Nabali: Palestina – Dupla finalidade: Mesa e azeite.
  • Picholine Marocaine: Marrocos – Dupla finalidade: Mesa e azeite.
  • Manzanilla: Espanha – Mesa

Condição climática do Iêmen e onde estão suas oliveiras

São aproximadamente 320 fazendas de oliveiras no país com, em média, 25 ha de extensão.

Áreas de cultivo e dos olivais no Iêmen – Imagem: Fanack.

No final a década de 1970 ao início da de 1980, o Ministério da Agricultura e Irrigação iniciou um projeto de expansão dos olivais no país. As oliveiras forma escolhidas pelo baixo grau de exigência água para seu cultivo, bem como o país possuir clima semelhante aso países com grandes culturas atualmente: Espanha, Tunísia, Marrocos, Itália, etc..

Atualmente (2008) possui 8.000 hectares de olivais, importados da Síria, Jordânia e do Centro Árabe para o Estudo de Áreas Áridas (ASSAD). O objetivo é que em até 20 anos essa área tenha se expandido para 25.000 hectares.

Entrevista

Tradução livre de trechos de entrevista por Dirhem Assufiani e Mahmoud Asssamiee de 05 de outubro de 2009 com o gerente do departamento de horticultura no Ministério da Agricultura Hamid al-Bishari:

“… hoje em dia, o Iêmen expande a olivicultura em suas áreas mais frias para torná-lo a quinta cultura estratégica no país, além do café, mel, palmas e manga…”

“… o crescimento começou ao final da década de 1970 e início da década de 1980…”

Complementa:

“…o Ministério planeja expandir as oliveiras para substituir o khat* árvore com azeite, assim que o agricultor ganhará grandes quantidades de água utilizada para irrigar o khat…”.

* O khat é uma planta angiosperma, nativa das áreas tropicais da África Oriental e da península Arábica. O khat contém o alcalóide chamado catinona, um estimulante similar à anfetamina, que causa excitação e euforia.

“Árvore de khat, que consome grandes quantidades de água, ao contrário da Oliveira que depende da água da chuva e podem resistir à seca. Isso ajuda na preservação das águas subterrâneas.”

Ainda:

“… a oliveira dá todas as coisas sem levar nada…”.

Deixou claro que as árvores podem suportar a seca, recebendo água através de irrigação apenas três vezes ao longo do ano.

“A oliveira é adequada para o cultivo no Iêmen”, de acordo com al-Bishari. “Devido a mudança climática, a temperatura no país pode ser inferior a 10° centígrados.”

Especialistas em agricultura afirmaram também que o clima do Iêmen é apropriado a olivicultura, pois o mesmo se assemelha ao dos grandes produtores, com vista para a região do Mediterrâneo. “O Iémen é um bom lugar para crescer a planta abençoada (Oliveira) eu vejo o país cultivando a planta há cinco anos,” disse Gibril Mousa, perito agrícola Sudani, trabalhando para um investidor do Iêmen.

Em 2009 cresciam no Iêmen 800.000 oliveiras, segundo al-Bishari. Eram árvores importadas da Síria, Jordânia e do centro de árabe para estudos de regiões áridas zonas de terras secas (ACSAD). Ele indicou que estas árvores foram plantadas em regiões ao norte e centrl, na Capital Sanaa e províncias de Sana’a, Amran, Mahweet, Sa’ada, Dhamar, Ebb, al-Beidha’a e Taiz.

Os economistas dizem que azeitonas podem sustentar a economia do Iémen, além de economizar recursos com a compra de azeitonas de mesa e azeite o exterior.

A expansão dos olivais promovida pelo ministério da agricultura é financiado pelo fundo de promoção agrícola e produção de peixe“, disse al-Bishari. O programa utiliza estufas para proliferação da oliva localmente. O Ministério também construiu um centro de olive Qohom arboreto em Sana, bem como três viveiros em Sana’a, Dhamar e Mahweet.

De acordo com al-Bishari, existe um plano para fazer uma cerca verde das oliveiras em torno da Capital Sana.

Espremer frutas azeitonas

O gerente do departamento de horticultura no Ministério da agricultura e irrigação, Hamid al-Bishari, disse que o Ministério anunciou uma licitação para compra de extratores de extrair o azeite (lagar). Estes extratores serão distribuídos nas áreas de cultivo da planta para permitir que os agricultores se beneficie e então incentivar os outros a crescer a planta.

Al-Bishari também falou sobre a falta de apoio financeiro, o Ministério precisa expandir o cultivo da planta. Ele afirmou que o governo reduziu o orçamento de todo o projecto do corpo estratégico de cinco de YR 7 milhões para apenas 2 milhões.

Ele mesmo diz que seu Ministério tem não é suficiente os orçamentos para realizar visitas de campo entre as províncias de patrocinar o processo de cultivo de oliveiras.

Produção e Consumo de Azeite e Azeitonas

Em 2017 o Iêmen colheu aproximadamente 580 toneladas de azeitonas, que tiveram o seguinte destino:

Como resultado da extração, que rendeu em média 17% do peso de azeitonas em azeite, produziu 90,22 toneladas de azeite, sendo:

  • 49,62 Ton de azeite virgem o extra virgem
  • 40,60 Ton de azeite comum ou lâmpante.

Com uma população de 28.250.000 de pessoas (2017), o consumo percapita de azeite e azeitona foram de 0,0032 quilograma (0,0034 litro) e 0,0017 quilograma de azeitona, respectivamente.

Em uma revisão futura dessa publicação, esperamos obter números mais atualizados.

Liked it? Take a second to support MAURO JOSE DE MENEZES on Patreon!