Talvez nenhuma designação esteja tão longe da realidade! Equipara-se a chamar a Orca de baleia, sendo que a mesma faz parte da família dos golfinhos. Ou ainda o Logo Guará, que na verdade é uma “raposa”.

Por que são chamadas de oliveira?

As Oleastro são chamadas de “oliveiras” russas dada sua aparência com as “oliveiras verdadeiras”, por frutos semelhantes que podem ser utilizados de diversas formas, inclusive para extração de óleo, que alguns chamam equivocadamente de azeite.

Sinônimos

A Oliveira Russa também é conhecida como Árvore-do-Paraíso, Oleastro ou Oliveira-do-Paraíso

Se não é uma Oliveira, então o que é então a Oliveira Russa?

Recordando a taxonomia comentada na publicação Variedade ou cultivar? Quando aplicar o nome corretamente? – OLIVAPEDIA, abaixo a hierarquia de classificação para o reino vegetal (Plantae)

Observação: A taxonomia para o reino animal (Animalia) é totalmente diferente.

Categorias reino vegetal
TAXONOMIA – Categorias vegetais

As oliveiras russas tem origem como com as Oliveiras “tradicionais” somente até a “Classe”.

Comparison of Russian Olive Tree vs. Traditional
Comparação Oliveira Russa x Tradicional

Sinônimos taxionômicos da Elaeagnus angustifolia: Elaeagnus caspica, Elaeagnus hortensis, Elaeagnus oxycarpa.

Algumas fontes alegam que a Oliveira Russas é uma ancestral da Oliveira Olea Europaea, o que não faz sentido, pois qualquer ancestral anterior das duas espécies se ramificou no passado em outras espécies, evoluindo e criando clados específicos.

Origem

O local de origem da Oliveira Russa é considerado como na Euroasiática, em especial no leste europeu e oeste asiático: Paquistão, Afeganistão, Sul da Rússia, Cazaquistão, Turquia e Irã.

Places of origin
Locais de origem

A condição para surgimento da espécie, assim como da Olea Europaea (Oliveira “tradicional”) se deu a cerca de 140 milhões de anos, no período Cretáceo, com o surgimento das Angiospermas: plantas que produzem flor e frutos. A evolução até a Elaeagnus Angustifolia pode ter levado vários milhões de anos, contudo certamente já se encontra no formato atual a mais de 7.000 anos, dado registros de fósseis.

Características morfológicas

Altura: de 4 a 8 metros. Eventualmente, em condições de crescimento adequadas, chega a uma altura de 25 metros.

Possui vigor alto, sua copa é aberta e quando carregada de frutos tende a ser tipo chorão (decíduo). A densidade da folhagem é média-alta.

O tronco possui uma casca fina que sai em tiras estreitas, alongadas e fibrosas. Os galhos são muito flexíveis e se alongam em uma “coluna vertebral” de diversos ramos. As folhas são elípticas lanceoladas de cor cinza.

Características agronômicas

Russian Olive Flowers
Flores da Oliveira Russa

Assemelha-se a uma oliveira, daí um dos seus nomes, assim como também a um Salgueiro devido a seus galhos compridos, meio pendentes, e com folhas longas e pontudas.

Adapta-se bem a pleno sol e a sombra parcial. Seu crescimento é rápido e começa a produzir as “azeitonas” já no terceiro ano.

Produz flores pequenas e amareladas perfumadas com especiarias, e surgem individualmente ou em cachos próximas aos pedúnculos das folhas. O florescimento ocorre ao final da primavera.

Thorn of the Russian Olive Tree
Espinho da Oliveira Russa – Foto: T. Davis Sydnor, The Ohio State University, Bugwood.org

Extremamente resistente a seca e ao frio, até -40° Celsius. Também é resistente a temperaturas elevadas.

Tolerante com terrenos arenosos e exige boa drenagem do solo.

Outra estratégia de sobrevivência da Oliveira Russa é a presença de espinhos em seus galhos, o que afugenta possíveis animais que pastam, como veados.

Seus frutos, semelhantes a azeitonas, são duros e permanecem “viáveis” a produzir mudas por até 3 anos, mesmo no solo. São muito aromáticos na cor laranja-castanho.

Fruits of the Russian Olive Tree
Frutos da Oliveira Russa

É uma árvore extremamente vigorosa que não possui competidores naturais. Mesmo quando cortada, do tronco surgiram ramos de forma vigorosa que darão origem a uma nova “oliveira”.

Fixa nitrogênio no solo captado da atmosfera. Para saber mais sobre a importância do nitrogênio no solo, acesse: Quais são os nutrientes do solo e suas funções? – OLIVAPEDIA

Propagação

Muitas aves adoram seus frutos, logo facilitam sua propagação com a difusão das sementes pelas fezes. Contudo não são apenas as aves que comem seus frutos.

Também se multiplica por brotos vegetativos a partir da coroa da raiz ou pela raiz fora da coroa.

Uso dos frutos

Na Ásia é um dos frutos secos mais comercializados, pois são ricos em proteína e ácidos graxos essenciais.

Vários restaurantes na Europa utilizam a azeitona russa em pratos refinados, considerados gourmet. Também são utilizadas para fabricação de geleias e sorvetes.

No Irã, o pó seco da fruta é usado misturado ao leite para a artrite reumatoide e dores nas articulações. Há evidências que apoiam os efeitos benéficos do extrato aquoso de azeitona persa (russa) na redução dos sintomas da osteoartrite com uma eficácia comparável à do paracetamol e do ibuprofeno.É também um dos sete itens que são usados em Haft Seen (arranjo de mesa iraniano), usado no Nowruz (ano novo persa – iraniano).

Registro do fruto no Ocidente

Um dos primeiros registros para uso culinário no ocidente ocorreu graças a Phill Iddison, que já havia estado em Istambul – Turquia para a construção da segunda ponte de Bósforo, em 1994, durante um simpósio do Oxford Symposium on Food & Cookery, escreveu no Petits Propos Culinaires: “Os frutos são ovóides, de meia a uma polegada de comprimento e têm uma pele marrom pálida quando prontos para comer. A pele é fina e em papel e descasca facilmente para revelar a polpa de cor amarelo claro, macia e com polpa farinhenta que induz a sede. É doce com um sabor que lembra o da nêspera e a polpa gruda no caroço que é com nervuras e listrado de marrom.”

Phill citou que normalmente as consumia como lanche, mas também viu sua aplicação na fabricação de pães e bebidas fermentadas.

Outros relatam a experiência de provar a azeitona russa como: “comer algodão ou feltro!”, pois seca a boca totalmente. Esse efeito é atribuído aos taninos (polifenóis) presentes no fruto.

Uso das Flores

Pelo seu aroma, o óleo obtido das flores é utilizado na indústria de cosmético, em especial em perfumes.

Uso medicinal

Não apenas a cultura oriental referencia sua utilidade no tratamento de algumas doenças, como já citado acima. Abaixo o link para um periódico holandês onde as propriedades da azeitona russa são analisadas:

Russian olive (Elaeagnus angustifolia L.): From a variety of traditional medicinal applications to its novel roles as active antioxidant, anti-inflammatory, anti-mutagenic and analgesic agent (shopify.com)

Como árvore ornamental

Um dos nomes da oliveira russa já denota o valor paisagístico: “Árvore do Paraíso”.

Russian Olive Tree - Ornamental
Oliveira Russa – Ornamental

E foi graças a sua beleza aliada à resistência a seca, frio, calor e rápido crescimento, que virou uma praga em regiões onde não era nativa, principalmente nos EUA.

Utilidade, Beleza e Praga

Zizyphus Cappadocica
Zizyphus Cappadocica

Os primeiros relatos de conhecimento e introdução no ocidente ocorreram através de escritos de John Gerard, herbarista -1545 a 1612-. O mesmo a citou erroneamente como “Zizyphus cappadocica” ou ainda: “Olea Sativa”, “Olea Sylvestris”…

Em 1633 foi cultivado por John Parkinson, herbarista e botânico inglês -1567 a 1650-. Na Alemanha foi cultivada a partir de 1736.

Atualmente é amplamente cultivada no Sul e centro da Europa devido as condições climáticas de seca e frio.

Em 1800 foi introduzida nos EUA por apresentar características positivas a agricultura, dentre elas a principal a fixação de nitrogênio ao solo, captado na atmosfera. Além disso é muito resistente a invernos frios.

Outras qualidades da Oliveira Russa fizeram com que houvesse uma aceleração no processo de introdução da espécie no início do século XX, especialmente nos EUA e Canadá. Os grandes atrativos além dos já listados como a rusticidade da espécie, destacaram-se:

  • Capacidade de evitar erosão do solo;
  • Grande disponibilidade de flores para apicultura;
  • Resistência aos ventos para construção de sebes ornamentais e resistentes.

A partir das importações e da facilidade com a qual a espécie se propaga, inclusive abafando no solo outras espécies, a Oliveira Russa virou uma invasora indesejada, uma praga que põe em risco várias espécies locais.

O que parecia ser um grande negócio, passou a ser uma dor de cabeça enorme para os ambientalistas, agricultores e órgãos governamentais, pois dentro de algumas décadas, a flora de uma área inteira pode ser substituída.

O problema é tão sério que existem fórmulas explicitas para acabar com a “infestação”:

Como disse antes, é muito trabalhoso destruir as oliveiras russas em uma área extensa. No entanto, é possível, e o método recomendado para matar a azeitona russa sem colocar em risco as plantas nativas é o método do toco cortado.

– Use roupas de proteção contra espinhos.

– Corte a azeitona russa no toco mais baixo possível.

Aplique um herbicida natural diretamente no toco ao longo dos anéis de crescimento externos.

– Lembre-se de que se você não aplicar o herbicida, a azeitona russa voltará a crescer ainda mais vigorosa do que antes. O vinagre de alta resistência resolverá o problema.

Algumas dicas sobre como eliminar as ervas daninhas da azeitona russa com facilidade:

– Use uma motosserra ou mesmo maquinário florestal pesado para acelerar o corte, se você tiver uma grande superfície para cobrir.

– Trabalhe em equipe, com uma pessoa cortando e a outra pulverizando o herbicida natural no toco cortado.

– Verifique se você também se livrou de árvores menores e mudas.

– Pulverize apenas os anéis de crescimento externos para economizar herbicida, já que o centro não germinará de maneira alguma. Concentre-se no círculo vivo perto da casca.

– Mudas com menos de um ano podem ser arrancadas manualmente com a raiz.

– Borrife mais vinagre no toco a cada quinze dias durante dois meses.

– Verifique nos anos subsequentes para um novo crescimento.

Outras soluções de remoção de ervas daninhas são ineficazes contra a azeitona russa, então não tente acender fogo, borrifar herbicida em áreas extensas ou simplesmente cortar sem usar herbicida.

Alerta: Como a oliveira russa também se propaga por camadas, não deixe os galhos cortados espalhados por um solo úmido e fértil: alguns podem brotar novamente. Reúna-os e descarte-os diligentemente.


Tradução livre do endereço: https://www.nature-and-garden.com/gardening/russian-olive-invasive-control.html

Determinações legais

O assunto é tão sério nos EUA e Canadá que os governos locais adicionaram a espécie na lista de ervas daninhas nocivas. Em alguns locais o departamento de agricultura responsável pode estabelecer restrições tais como:

  • Ilegal manter, plantar e cultivar a Oliveira Russa.
  • É Proibida a venda de azeitona russa.
  • Proibido transplantar a Oliveira Russa.
  • Proibido o comércio ou compartilhamento de sementes da Oliviera Russa.
  • Obrigatório cortar ou remover indivíduos existentes.

“Cultivo de mudas!”, ou “Como criar sua Praga!”

A criação de mudas é extremamente fácil. Pode ser com ou sem dormência da semente.

A semente que fica dentro do fruto, deve ser retirada sem danos e pode ser enterrada em sementeira ou vaso, apenas para encobrir a semente. O solo, ou extrato, deve ser úmido. Esse processo pode ter a eficiência aumentada colocando-se as sementes por 60 dias na geladeira envoltas em areia seca.

A germinação normalmente ocorre de 2 a 3 semanas. Remova a muda apenas quando estiver com pelo menos duas conjuntos de folhas bem desenvolvidas e mexendo o mínimo possível no torrão onde estiverem as raízes.

Sugestão:

Mesmo que esteja procurando uma oliveira apenas para ornamentação, escolha uma “oliveira tradicional”, pois serão menores os problemas.

Liked it? Take a second to support MAURO JOSE DE MENEZES on Patreon!